OverClock
Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

O que você precisa saber sobre o GNU/Linux – Uma introdução Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

O que você precisa saber sobre o GNU/Linux – Uma introdução

Grande parte da alta participação de mercado do sistema operacional Windows pode ser explicado pela lógica de compra de um computador novo. Se você adquiriu um PC ou notebook recentemente, há uma grande possibilidade de ele ter o Windows 10 embarcado. Há poucas exceções, o que cria um cenário onde quem pretende usar uma distro GNU/Linux acaba instalando-o por conta própria.

Em termos percentuais, poucos o fazem. E cada um tem uma razão particular para isso. Para usuários “comuns”, basta ter uma máquina que funcione: ligo o computador, abro o navegador e faço o que tenho que fazer. Por que se dar o trabalho de formatar uma máquina e começar tudo do zero?

Não há como apontar uma justificativa principal para começar a usar o GNU/Linux. Alguns o fazem por terem aprendido sobre o GNU/Linux em um curso da faculdade. Outros por necessidade profissional. Outros, ainda, por mera curiosidade. Em todos os casos, o usuário acaba descobrindo um universo novo e bastante rico, com diversas opções interessantes para escolher. E vamos conhecer mais sobre ele nas próximas linhas.

Afinal, o que é GNU/Linux?

Aqui vale começar com uma espécie de “Linux 101”: não há um sistema operacional Linux. Não há um “Linux OS”. Linux é o kernel presente nas diversas distros em que é utilizado. Um kernel é, basicamente, uma camada de software que fica entre o sistema operacional, drivers e aplicações e o hardware do sistema. Todos os sistemas operacionais utilizam um kernel, e o Windows não é exceção.

Particionamento de HD (Caputra de tela: Pedro Cipoli)

Em outras palavras, é o nível mais baixo de um sistema operacional, a base de qualquer distro Linux. E é aqui que entra o “GNU” do “GNU/Linux”: um conjunto de compiladores, gerenciador de tarefas, editores de texto e assim por diante, que, juntos, fazem um sistema operacional funcionar. Não apenas o sistema operacional de um PC, mas também de televisões, datacenters, sistemas de segurança, carros e smartphones e tablets. É o caso do Android, que é baseado no GNU/Linux.

Uma forma simplificada de entender o que é esse núcleo é considerar o motor de um carro. Temos diversos fabricantes, assim como diversos segmentos de carros. Todos os carros, porém, contam com um motor que faz o carro se movimentar. Não importa se é um motor potente ou econômico, grande ou pequeno: todos os carros possuem um, assim como todos os sistemas operacionais possuem um kernel.

 Deepin Desktop (Captura de tela: Pedro Cipoli)

O mesmo ocorre com as distros baseadas no GNU/Linux, cada uma com suas particularidades, mas todas contam com o “motor” GNU/Linux. E são centenas delas, algo que exploraremos em um artigo futuro. Com esses esclarecimentos, avancemos para um questionamento comum feito por novos usuários.

Por que é difícil aprender GNU/Linux?

Muitos acabam desistindo após as primeiras tentativas com uma distro. O motivo alegado, na maioria das vezes, é que o GNU/Linux é complexo demais. Um sistema “para usuários avançados”, programadores ou geeks. Será que as distros Linux são tão complicadas assim? Há uma questão de familiaridade que deve ser considerada aqui, uma estranheza inicial de se utilizar um sistema operacional diferente.

Pense o seguinte: quanto o seu conhecimento de português do Brasil o ajudará a palestrar em russo? Não estamos considerando um linguista ou especialista, mas um brasileiro típico. O russo é uma língua mais complicada do que o português brasileiro? Certamente não para o russo, que nasceu, cresceu e se comunica em russo como sua língua materna. Para quem nasceu, cresceu e usa o português brasileiro é um caso bastante diferente.

GRUB Ubuntu-Windows (Captura de tela: Pedro Cipoli)

Temos familiaridade com o português por empregá-lo em nosso dia a dia como língua primária. Da mesma forma, temos familiaridade com o Windows, comumente pré-instalado nas máquinas que usamos. Isso não significa, porém, que o GNU/Linux seja mais difícil: é apenas diferente do que estamos acostumados. Não é o sistema que nos acostumamos a usar por anos a fio.

O GNU/Linux seria como uma espécie de segunda língua. Sabemos manusear o Windows, mas temos que aprender como um sistema diferente funciona. Há uma lógica até parecida, como a presença de um sistema de arquivos, uma interface gráfica, mas há uma curva de aprendizagem necessária antes. Com uma crucial diferença: é muito mais fácil aprender a utilizar uma distro Linux do que russo. Experiência própria.

Em outras palavras, não é difícil aprender a usar GNU/Linux. Temos apenas que ter em mente que, bom, ele não é o Windows. Um sistema apenas diferente, e a curva de aprendizagem para usá-lo com confiança é bastante rápida. Mas por onde começar?

Primeiros passos

Como saber qual é a melhor distro para iniciantes? Há algumas famosas exatamente por se destacarem neste quesito, e há uma boa quantidade delas. O primeiro passo seria, portanto, escolher uma e começar a usar. A grande vantagem das distros é que cada uma delas oferece uma experiência diferente, e não é raro usuários trocarem de tempos em tempos. Isso tanto para uso diário quanto apenas para experimentar.

O único requisito é ter um computador. Qualquer computador, vale destacar, seja desktop ou notebook, rápido ou lento, novo ou velho. Não é necessário nem ter um computador sobrando, já que é possível instalar uma distro GNU/Linux ao lado do Windows em um mesmo HD. Ou mesmo utilizá-lo com uma máquina virtual. Ou mesmo fazer o boot de um pendrive, sem alterar nada da máquina em questão.

 Ranking Distrowatch (Captura de tela: Pedro Cipoli)

Grande parte dos sites oficiais das distros oferece um tutorial de instalação que pode ser aproveitado para diversas outras distros. Este, aliás, é o passo essencial. A melhor coisa a fazer é instalar uma distro e explorar, ter uma experiência real de uso do sistema. É como escolher comprar um carro: todas as explicações teóricas dos seus diferenciais não chegam perto da sensação de fazer um test-drive.

Não se preocupe com possíveis acidentes de percurso. Há uma tonelada de documentação pela internet, e há grandes possibilidades de alguém já ter resolvido um problema que está acontecendo com você. Mas qual distro escolher? Vamos explorar as mais famosas no próximo artigo. Não deixe de conferir!


Compartilhe: http://tinyurl.com/ybmbqpxo