OverClock
Domingo, 22 de Julho de 2018

Há 49 anos, Neil Armstrong dava seu primeiro passo na superfície da Lua Domingo, 22 de Julho de 2018

Há 49 anos, Neil Armstrong dava seu primeiro passo na superfície da Lua

A exatos 49 anos, a bota de Neil Armstrong tocava pela primeira vez a superfície da Lua. No dia 20 de julho de 1969, depois de uma viagem inédita de quatro dias, a equipe formada por Armstrong, por Edwin “Buzz” Aldrin e por Michael Collins anunciava à base da NASA em Houston: “A Águia pousou”. A primeira missão espacial tripulada havia pousado no satélite natural da Terra.

Em superfície, a ocasião foi comemorada por mais de 530 milhões de pessoas ao redor do globo, que então ouviam a frase cuidadosamente preparada por Armstrong para a ocasião – e até hoje repetida à exaustão como menção a eventos grandiosos: “Um pequeno passo para o homem, um grande passo para a humanidade”. Aldrin seria o segundo a dar o passo histórico, cuja primeira impressão foi eternizada por um espontâneo: “É uma desolação magnífica”.

Após a descida do módulo, os astronautas gastaram aproximadamente duas horas e meia “passeando”, tirando fotografias e coletando amostras no Mar da Tranquilidade. Como registro formal da viagem, a equipe deixa na superfície uma placa em que se lê: “Aqui, homens do planeta Terra colocaram os pés pela primeira vez na Lua. Julho de 1969 D. C. Nós viemos em paz em nome de toda a humanidade” (Here men from planet Earth first set foot upon the moon. July 1969 A.D. We came in peace for all mankind).

Complicações no pouso

Se toda a missão da Apollo 11 foi eminentemente histórica, o seu pouso na Lua sem dúvida não foi nada menos do que épico. A começar pela escolha do piloto automático, que apontava como lugar de aterrissagem um local cheio de pedregulhos e crateras que poderia ter abreviado tragicamente a viagem. Para complicar ainda mais, o computador de bordo passara a emitir sinais de sobrecarga.

O pouso na Lua viria após uma voo cheio de complicações e improvisos. (Foto: reprodução/NASA).

A solução veio da habilidade de Armstrong. Faltando 150 metros para tocar a superfície e com combustível para apenas mais 20 segundos de voo, o astronauta resolve pilotar a Águia manualmente, tal como se fosse um helicóptero. Um local mais apropriado para a chegada foi então escolhida “a olho”. Ao anunciar o sucesso do pouso, a Apollo 11 recebe da Terra a resposta: “Ok, recebemos a mensagem. Vocês deixaram muita gente quase azul deste lado – agora já podemos respirar de novo”.

O discurso fúnebre no paletó de Richard Nixon

Conta-se que os riscos envolvidos na missão da Apollo 11 toda foram tão grandes que o então presidente dos EUA, Richard Nixon, deixou preparado um discurso para o caso altamente provável de um desastre. “A fatalidade determinou que aqueles homens que foram para a Lua explorá-la em paz permanecessem na Lua para descansar em paz”.

No dia 24 de julho de 1969, Armstrong, Aldrin e Collins pousam tranquilamente no Oceano Pacífico. (Foto: reprodução/NASA).

Mas o pior não aconteceu, é claro. Após permanecer no espaço por 8 dias, 3 horas, 18 minutos e 35 segundos, a Apollo 11 então caía amparada por três paraquedas no meio do Oceano Pacífico em 24 de julho de 1969. Ao final, Armstrong, Aldrin e Collins materializam a meta proposta por John F. Kennedy de colocar o homem na lua antes do final da década – garantindo inegável vantagem aos EUA na corrida espacial.


Compartilhe: http://tinyurl.com/y86marvb