OverClock
Terça, 25 de Junho de 2019

Desenvolvedores instalam Android no Nintendo Switch; veja como ficou Terça, 25 de Junho de 2019

Desenvolvedores instalam Android no Nintendo Switch; veja como ficou

O Nintendo Switch tem sido um achado para desenvolvedores independentes usarem e abusarem da sua portabilidade e facilidade de programação. Recentemente, a ByLaws fez dois dois ports para o console da Nintendo: uma versão do Linux para o chamado L4T (Linux 4 Tegra) Ubuntu e o emuMMC, que nada mais é do que o "desbloqueio" do aparelho. Agora, a ByLaws se superou, e transformou o videogame em um tablet Android completo com dock e suporte aos joycons. O pessoal do XDA Developers conseguiu testar um pouco desse mod e mostraremos abaixo como foram os resultados.

Como funciona o Android no Nintendo Switch?

O Nintendo Switch nunca foi concebido para rodar o Android. Trata-se de um console portátil com uma tela de 6,2 polegadas e 720p de resolução, equipado com o chipset Tegra X1 (que também se encontra no Nvidia Shield), 4 GB de RAM LPDDR4 e uma bateria de 4.310 mAh. É capaz de rodar jogos como The Legend of Zelda: Breath of the Wild, Super Mario Odyssey e Mario Kart 8: Deluxe. Essas especificações criam um videogame, de certo modo, robusto, mas imagine um tablet Android com essas especificações? Isso é efetivamente o que temos aqui graças a ByLaws e outros desenvolvedores, e embora ainda não seja perfeito, já é bastante poderoso.

Um dos aspectos mais atraentes do Switch é o fato de ser um console híbrido. Quando você o coloca na base e separa os joycons nas laterais, ele se torna um console completo com saída de 1080p via HDMI e taxas de clock de CPU e GPU mais altas. O Android no Switch funciona da mesma forma que em um tablet. Quando acoplado na base, ele transmitirá a tela via HDMI, onde você poderá continuar a usá-lo normalmente na TV ou em um monitor. O switch dock também possui 3 portas USB, nas quais você pode conectar um teclado, mouse e outro periférico.

-
Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/
-

Fora da base, como era de se esperar, ele se transforma em um tablet com tela sensível ao toque.

Mídias e outros aplicativos

Normalmente, o principal motivo para se ter um tablet, principalmente com Android, é o consumo de mídia. Uma tela maior e mais agradável é ótima para assistir a vídeos e jogar — e é onde o Switch entra. Com esse mod, ele tem suporte total para todos os aplicativos da Google Play Store, para que você possa assistir a Netflix, YouTube, ouvir música... ou seja, todas as coisas usuais que você esperaria de um tablet Android. Existem alguns problemas a serem resolvidos, claro, mas nenhum muito sério.

Netflix, para Android, rodando no Nintendo Switch/ Imagem: XDA Developers

Se você é um fanático da mídia e gosta de ter arquivos armazenados offline, o Android para o Nintendo Switch tem suporte para armazenamento no cartão SD em que o sistema estiver instalado. Isso ocorre porque parte da configuração envolve estender a partição para o tamanho desejado antes da inicialização, podendo ser ampliado para preencher o restante do cartão. Isso significa que você não está restrito ao armazenamento de eMMC de 32 GB interno e, mais importante ainda, não está modificando nada no próprio dispositivo.

Foram feitos testes com aplicativos como Spotify, YouTube, Twitch e outros players de mídia e todos funcionaram perfeitamente.

Desempenho de Jogo

Como você pode esperar do Tegra X1, jogar é muito fácil. Há alguns tropeços aqui e ali, embora, segundo os testes realizados, isso seja causado pela falta de otimização neste momento. Um dos games testados foi o PUBG Mobile. Enquanto os joycons não funcionavam para efetuar os comandos, o jogo rodava bem em gráficos balanceados, não sendo possível jogar em níveis maiores por conta de um impeditivo do próprio sistema.

Sobre o uso dos joycons, eles, pelo menos por enquanto, não funcionam tão perfeitamente quanto o esperado. Eles precisam estar conectados via Bluetooth e, deixá-los fisicamente conectados ao Switch nas laterais não significa nada, sendo necessária a conexão sem fio, mesmo. Isso, pelo menos, não causa atrasos nos comandos, mas os programadores já devem estar trabalhando para que quando esse mod for lançado oficialmente, o modo físico já esteja liberado.

Pokémon Black, do Nintendo DS, rodando perfeitamente por meio de emulador/ Imagem: XDA Developers

Entre os emuladores, foi testado o DraStic, para Nintendo DS. Ele é uma das melhores opções na Google Play Store e funciona sem problemas no Switch. Isso é uma conquista enorme, pois não há outros emuladores de DS que rodem tão bem.

No momento, há certos problemas de desempenho em todo o sistema que só devem ser resolvidos com o tempo. O Tegra X1 no Switch está em underclock comparado ao Shield, mas a atualização do Switch 8.0 permitiu aos desenvolvedores de jogos aumentar a velocidade do clock durante o carregamento de telas, algo que a versão Android também aproveitará no lançamento (controle de clock foi adicionado em a última compilação privada). O Nintendo Switch já está se moldando para ser um excelente dispositivo de jogos com Android, e seu futuro, nesse aspecto, é brilhante.

Nem tudo funciona

Infelizmente, há uma série de desvantagens em usar o Nintendo Switch como um tablet Android. Por exemplo, o console não suporta GPS nem possui um microfone ou até mesmo uma câmera. Isso significa que não será possível jogar Pokemon GO, nem realizar chamadas de voz e vídeo com o Google Duo, tampouco se divertir com o Snapchat. Você pode usar um fone de ouvido Bluetooth para áudio, embora use o A2DP básico para se conectar.

Quando será lançado?

A ByLaws e outros envolvidos no desenvolvimento ainda não deram uma data específica para que essa portabilidade do Android esteja 100% concluída. Mas novidades devem chegar em breve.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:


Compartilhe: http://tinyurl.com/y5sepswl