OverClock
Terça, 25 de Junho de 2019

Supercomputadores chineses são novo alvo dos EUA em guerra fiscal Terça, 25 de Junho de 2019

Supercomputadores chineses são novo alvo dos EUA em guerra fiscal
O Departamento de Comércio dos Estados Unidos emitiu um comunicado onde confirma que diversas empresas e institutos da China envolvidos com supercomputação e aplicações militares foram banidos de fazer negócio com empresas estadunidenses. Conforme aponta a agência Reuters, esse é o mais recente esforço do Governo Donald Trump para restringir o acesso de firmas chinesas a tecnologias dos Estados Unidos como parte de sua estratégia na guerra fiscal entre as duas nações. As novas empresas e organizações adicionadas para a lista foram Sugon, Instituto de Computação de Wuxi, Higon, Circuitos Integrados de Chengdu e a Chengdu Haiguang Tecnologia de Microeletrônicos — além de diversos nomes alternativos para as cinco entidades. A justificativa para isso são preocupações com aplicações militares e supercomputadores que elas estão desenvolvendo. Donald Trump, presidente dos Estados Unidos (Fonte: Gage Skidmore/Flickr) “Não importa se isso [o banimento] tem como objetivo inibir a tecnologia chinesa ou o seu desenvolvimento a longo prazo, ou até mesmo colocar pressão na China nas negociações fiscais, os Estados Unidos não irão alcançar os seus objetivos”. - Editorial publicado pela Rádio Internacional da China Num editorial publicado recentemente, a estatal Rádio Internacional da China disse que a decisão do Governo dos EUA é mais uma ação numa série de tentativas de violar o acordo feito entre Donald Trump e o líder chinês Xi Jinping num encontro na Argentina em dezembro de 2019. Xi Jinping, presidente da China (Fonte: Kremlin) Enquanto isso, os Estados Unidos estreitam suas relações comerciais com outro país asiático, o Japão. Recentemente, a Nvidia confirmou uma parceria com a japonesa Softbank Holdings Group para realizar chips com tecnologia ARM em supercomputadores. Ultimamente, a fabricante tem priorizado negociar com empresas japonesas e europeias no lugar das suas equivalentes chinesas. “Sobre a China, eu penso que eles claramente indicaram que possuem uma estratégia de aceleradores e processadores domésticos que irão perseguir e isso claramente é o que estão fazendo”. - Ian Buck, vice-presidente da unidade de computação acelerada da Nvidia Fonte da imagem: Mohamed...

Compartilhe: http://tinyurl.com/yykqsxwe